rosto-e-tronco.JPG“Peeling” é uma palavra em inglês que significa descascar. No “peeling” químico aplicamos ácidos sobre a pele com o objetivo de remover as camadas externas da pele e estimular a renovação celular. Os “peelings” químicos podem ser superficiais, médios ou profundos dependendo da substância utilizada e da penetração desta substância na pele. Os “peelings” podem atenuar rugas finas, clarear manchas, melhorar o aspecto das cicatrizes de acne, além de tratar o envelhecimento precoce e as lesões pré cancerosas.

Como ele é feito?

Uma solução química é aplicada na pele, provocando a sua separação, descamação e o surgimento de uma nova pele mais lisa, nova e menos enrugada que a pele antiga. Os dermatologistas utilizam vários agentes descamativos para fazer o procedimento, os mais utilizados são o ácido retinóico, o ácido glicólico, o ácido salicílico, a solução de Jesner, o ácido tricloro acético, o fenol e muitos outros.

Onde pode ser aplicado?

O “peeling” químico pode ser facial (aplicado no rosto) ou corporal (aplicado em várias áreas do corpo, como pescoço, colo, dorso, mãos, braços e pernas).  O “peeling” poderá ser superficial, médio ou profundo, dependendo do estado da pele. Quanto mais profundo for o “peeling”, maior será o tempo de recuperação.

O que se deve esperar após o tratamento?

Dependendo do tipo de “peeling”, o paciente pode não sentir nenhum desconforto ou sentir um ardor leve ou intenso (depende da profundidade do “peeling”). Após o tratamento, deve-se evitar exposição ao sol, já que a nova pele é frágil e muito mais suscetível a ser danificada. Geralmente o tratamento é realizado no consultório do dermatologista.
Importante: O seu médico dermatologista recomendará o melhor “peeling” de acordo com o seu caso. Deve-se seguir rigorosamente a orientação do seu médico após o tratamento.

Dra. Érica Monteiro – Dermatologista

tel:11-50441064

www.dermatologia.com.br