cabeludothumbnail.JPGA quase totalidade dos casos de calvície masculina é de origem genética e hormonal, sendo chamada de alopécia androgenética masculina ou calvície masculina. A calvície masculina pode-se iniciar logo após a puberdade, sendo mais evidente após os 25-30 anos.
A característica básica é o afinamento progressivo dos fios de cabelo na área acometida (entradas, topo e coroa) e cabelos normais nas áreas não afetadas (região lateral e posterior cabeça). Nos locais atingidos pela calvície os cabelos podem apresentar menor volume ou diminuição na velocidade de crescimento, ou ainda importante afinamento dos fios de cabelo (miniaturização do cabelo). O principal fator da calvície masculina é a presença do hormônio sexual masculino DHT (dihidrotestosterona) agindo sobre um cabelo geneticamente susceptível. O DHTcausa um lento e progressivo afinamento. Este processo de calvície ocorre somente nas áreas susceptíveis do couro cabeludo, poupando assim as laterais e a região posterior do couro cabeludo.

Outras doenças podem dar queda de cabelo sem se tratar de calvice, por exemplo: alopécia areata ou pelada (áreas ovaladas sem cabelo podem surgir em qualquer local do cabelo, barba, sobrancelhas ou até em outras partes do corpo), alguns tipos de micoses no couro cabeludo como a tinha do couro cabeludo (o fungo “quebra” a haste do cabelo originando áreas de cabelo muito curto), infecções bacterianas do couro cabeludo e doenças inflamatórias (como lupus, esclerodermia) que quando muito severas podem evoluir com cicatrizes, deixando áreas cicatriciaais sem crescimento de cabelo. Acidentes e queimaduras também podem deixar área cicatricial sem cabelo.

Importante: diagnóstico exige exame dermatológico criterioso para diferenciar entre todos esses quadros. Por isso não faça auto medicação sem conhecer a causa do seu problema.

Dra. Érica Monteiro – Dermatologista

CRM 87350

tel:11-50441064